Pitti Bimbo: Slow Fashion Kids FAIR

Nosso diálogo sobre sustentabilidade, slow-fashion, um mundo mais colaborativo e que abrace as diversidades já vem durando alguns anos e se torna cada vez mais consistente. Junto com todas essas mudanças, é importante incluir as crianças nessa transformação do mundo.

É logo cedo que criamos nossa consciência de consumo: o que compramos e o que vestimos diz muito sobre quem somos e sobre o que queremos, e isso se reflete na atitude que passamos para nossas crianças. Elas expressam cada vez mais cedo sua autonomia de escolha, ao mesmo tempo que estão em uma idade que preza muito pelo cuidado com o mundo, com o seu redor, com os animais e com a natureza. Esse cuidado deve ser estimulado para se transformar em valores pessoais e em atitudes conscientes.

Na Pitti Bimbo, a maior feira de mercado infantil do mundo, não foram poucas as marcas que ofereceram estímulos para que as crianças sejam inseridas logo cedo num universo de consumo consciente: algodão orgânico, selo BCI, produtos com certificados de qualidade e de processo, couro de abacaxi, marcas veganas e conceitos atemporais.

Das marcas que se destacaram por fazer a diferença na parte de sustentabilidade, encontramos a Pure Cotton, uma marca do Chile que tem 100% da sua produção feita com algodão orgânico, ou seja, um algodão que cresce em solo limpo, sem pesticidas ou fertilizantes. O cuidado com as fibras utilizadas é ainda mais importante para bebês e crianças pequenas, que tem a pele mais sensível e precisam de mais cuidados em sua saúde.

Na feira, conversamos bastante com o pessoal da Play Up, nossos irmãos de idioma, lá de Portugal. A coleção que a marca apresentou é inspirada em uma artista de cerâmica, ou seja, existe toda uma valorização do feito a mão, dos corantes naturais, de uma aparência leve e, essencialmente, do conforto das crianças.

A importância dada ao conforto pode ser vista como uma manifestação do slow fashion, já que o bem estar é atemporal e contínuo, ficando acima das mudanças frenéticas que o fast fashion exige. Outra expressão do slow fashion é a valorização de marcas autorais novas, que ganharam um espaço maior do que nunca na feira, um cantinho chamado de “Ninho” (The Nest). Nele, marcas como Liilu e Upa trouxeram o máximo do conforto unido à aparência leve e atemporal para meninas livres.

A marca The New Society já nos ganhou pelo nome, que faz jus a uma nova sociedade que queremos viver e construir. O manifesto da marca traz palavras como “respectful”, “timeless” e “natural”, visão que resume muito bem o que entendemos como slow fashion e consumo consciente.

 

Por: Isadora Guercovich

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*