O movimento Slow Food

O Slow Food é o movimento contrário à tendência de padronização do alimento no Mundo, e defende a necessidade de que os consumidores estejam bem informados, se tornando co-produtores. Comer, muito além de uma necessidade fisiológica, influencia o que nos rodeia, como as paisagens, a biodiversidade da terra e as suas tradições. E para nós como consumidores é impossível ignorar as fortes relações entre prato e planeta.

Melhorar a qualidade alimentar e arranjar tempo para saborear é uma forma simples de tornar o nosso cotidiano mais prazeroso. Esta é a filosofia do Slow Food. Fundado por Carlo Petrini em 1986, o Slow Food se tornou uma associação internacional sem fins lucrativos em 1989. Atualmente conta com mais de 100.000 membros e tem escritórios na Itália, Alemanha, Suíça, Estados Unidos, França, Japão e Reino Unido, e apoiadores em 150 países.

O princípio básico do movimento é o direito ao prazer da alimentação, utilizando produtos artesanais de qualidade especial, produzidos de forma que respeite tanto o meio ambiente quanto as pessoas responsáveis pela produção, os produtores. O questionamento levantado pela instituição Slow Food, gira em torno dos problemas causados pela produção e consumo de alimentos em grande escala, realizados por empresas que não respeitam o meio ambiente, apenas o usam para gerar lucros e fornecer por muitas vezes alimentos contaminados e de baixíssima qualidade. A biodiversidade, saúde dos seres humanos e animais, bem-estar e a natureza é ameaçada todas vez que esse tipo de produto é produzido e comercializado, comprometendo o desejo de comer e produzir alimentos saudáveis sem prejudicar a existência de outros ou o equilíbrio ambiental do planeta em que vivemos..

“É inútil forçar os ritmos da vida. A arte de viver consiste em aprender a dar o devido tempo às coisas”. Carlo Petrini, fundador do Slow Food

Ao unir os conhecimentos gastronômicos, de agricultura e de meio ambiente, o Slow Food tornou-se uma voz ativa na agricultura e na ecologia mundial, educando consumidores sobre os alimentos que estão ingerindo, e alertando a indústria sobre a produção desenfreada e sem ética praticada, aguçando a consciência e responsabilidade em torno de um assunto tão importante. As atividades do Slow Food defende a biodiversidade na cadeia de distribuição alimentar, difunde a educação do gosto, e visa aproximar os produtores e consumidores de alimentos especiais através de eventos e iniciativas.

A sede internacional do Slow Food fica em Bra, na Itália, e o movimento opera tanto localmente como mundialmente junto de instituições internacionais como a FAO – Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, e também trabalha junto ao Ministério da Agricultura italiano, com o presidente da câmara de Nova Iorque e colabora com o governo Brasileiro através de consultorias e direcionamentos sobre o tema.

Você pode conhecer a nova campanha mundial lançada pelo Slow Food que defende a biodiversidade no vídeo abaixo, além de fazer uma doação para a instituição Donate.SlowFood, e ler o manifesto completo do movimento.

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*