Luwsumerism : o futuro do consumo consciente

Todos nós consumimos, isso é fato. O fazemos para suprir as mais variadas necessidades, para a nossa sobrevivência. Consumo, porém, é diferente de “consumismo”, termo que, segundo o sociólogo Zygmunt Bauman eleva a prática do consumo ao centro de todas as preocupações e interesses.

Antigamente o nosso foco era satisfazer as nossas necessidades, essa era a regra, mas vivemos numa cultura que transformou tudo em excesso, e esses excessos não parecem muito natural.

O problema é que esse estilo de vida fomentado no último século, baseado na industrialização, no consumo e, mais recentemente, no consumismo têm resultados desastrosos para o planeta.

O consumismo que se instaurou durante a pós-modernidade priorizava a velocidade, o fast. Essa dimensão de tempo estava no centro da vida humana, não permitindo planejamentos a longo prazo e inovações em termos de qualidade. Para que a industrialização desse certo, precisávamos não só produzir uma abundancia de produtos, mas também uma abundância de demanda. Desde então as pessoas são encorajadas a comprar mais do que necessário

O consumo desenfreado e insaciável desde então, passa a ameaçar seriamente o futuro humano. Nos anos 90 uma nova onda de conscientização ambiental provocou um despertar sobre os riscos do consumo excessivo, mas parece que ninguém ouviu. Novas técnicas de manufaturas e mão-de- obra barata incentivaram ainda mais o volume de produtos, fazendo tudo ficar descartável .

No entanto o descontentamento com as promessas pós-modernas, juntamente com a crise econômica de 2008 e a preocupação crescente com a sustentabilidade levaram o cenário da modernidade líquida a um profundo despertar de valores.

Estamos sempre nos reconstruindo como indivíduos e sociedade, comprar não é mais sinônimo de satisfação — cai por terra a ilusão provocada pelo consumismo e entra em vigor uma tomada de consciência.

O mundo esta desesperado por alternativas, uma nova mentalidade de consumo – a economia compartilhada – coloca o acesso acima da posse , você não precisa mais comprar um bem para usufruir dele . E embora a “sharing economy” pareça um passo à frete, ela não reduz o nosso desejo de consumir, ela simplesmente reduz a posse.

Mas está na hora de começar a mudar, e toda mudança precisa começar por algum lugar mas nesse caso , ela tem de acontecer na sua consciência . De agora em diante antes de se deixar levar por qualquer impulso de consumo tente quebrar a logica que foi implantada na sua mente.

Se questione, faça perguntas sobre seus processos de consumo, isso já é um primeiro passo:

Você realmente precisa disso?
Você sabe a origem desse produto e para onde ele vai depois?
Você acha que essa compra prejudica o planeta?
Quantas dessas compras você acha que o planeta consegue suportar?

O movimento lowsumerism revela, não por acaso, contratendências de uma época marcada por um cansaço geral quanto aos modelos de vida baseados na lógica do consumo desenfreado. Consumir de forma mais consciente, simplificando a vida e a forma como as pessoas se relacionam com marcas e produtos é uma das propostas deste despertar de valores onde impera a ideia do “menos é mais”. O “comprar por comprar” já não faz mais sentido e a proposta é de reflexão. Essas características mostram que o lowsumerism não sugere a inibição dos desejos, mas sim que essas vontades sejam remodeladas a partir do entendimento que boicotar a excessividade diminui o impacto ambiental e social do consumismo. Lowsumeris é ser mais consciente e consumir menos, é sempre pensar antes de comprar. É viver somente com aquilo que é realmente necessário.

A ideia de mudança na forma de oferta e demanda dos produtos, assim como a possibilidade de utilizar do consumo para estabelecer relações de conectividade e confiança entre as pessoas, já são perceptíveis através dessas propostas que têm o lowsumerism como propulsor. Através deste despertar de consciência os indivíduos iniciam um movimento de quebra contra as correntes dos valores pós-modernos e reconstroem novos, equilibrando as suas necessidades com as necessidades do planeta. Já podemos sentir o privilégio de viver numa mudança profunda na forma de trabalhar, aprender, se relacionar, se informar, comercializar e viver.

Lowsumerism é um movimento que precisa ser coloca em prática agora, porque o mundo não pode mais esperar, afinal de contas a terra é a nossa casa. É perceptível a mudança de comportamento que surge em nossa sociedade. O movimento lowsumer revela um novo tipo de indivíduo, mais consciente de si mesmo e da forma como deve agir para ajudar a construir um futuro melhor

Nos tornando lowsumers nós temos uma chance de mudar o futuro, e essa mudança, precisa de você!

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*