Entrevista: Mudha

A Mudha é mais uma opção de moda sustentável no mercado nacional. A marca aposta no consumo consciente e em matérias-primas mais nobres como seda e linhos orgânicos, além de tecidos clássicos como jeans reciclado e poliéster proveniente de garrafa pet. As idealizadoras da marca acreditam que estética, responsabilidade social, ambiental e consumo consciente podem e devem andar juntos, e são nesses pilares que elas visualizam um futuro viável para a indústria da moda. Tivemos a oportunidade de conhecer essa marca incrível, e conversamos um pouquinho com a Aline Fischmann umas das idealizadoras que nos conta um pouco mais sobre essa proposta linda.

Revista Catarina: O que provocou seu interesse pela criação de uma marca autoral e diferenciada?

Mudha: A Mudha foi concebida e nasceu sendo uma marca diferenciada. A ideia surgiu para suprir nossa vontade, e porque não, nossa necessidade, de trabalhar e ter com alguma coisa que realmente acreditávamos, e que tivesse um propósito maior do que bater metas e atender à prazos. Além, claro, da ascensão desse nicho de mercado e da valorização cada vez maior de produtos naturais, artesanais e estilo de vida sustentável e slow. Foi aí que nasceu a Mudha, com o objetivo de  quebrar o estigma que existe acerca da moda sustentável: usando matérias primas orgânicas, recicladas e com tecnologia biodegradável e mantendo uma cadeia de produção justa e limpa, a marca não deixa de lado o que realmente move a indústria da moda: o design. Seis pilares principais são levando em consideração em todas as etapa de desenvolvimento de produto e em todos os pontos de contato com o cliente, são eles: slow, local, impacto social, sustável, justo e vegano.

Revista Catarina: Como seu trabalho evoluiu desde que você começou sua própria marca? e qual a reação do público a esse tipo de negócio?

Mudha:O público é muito variável: enquanto temos clientes que entendem e se interessam pelo processo de criação e desenvolvimento das peças, outros são atraídos pelo design e a Mudha foi seu primeiro contato com a moda sustentável, nesse caso os clientes costumam elogiar e fazer muitas perguntas sobra a produção. Já os clientes que já são consumidores de moda sustentável tendem à comparar preço e questões como modelagem e acabamento para na hora de consumir.

De qualquer forma  podemos dizer que as práticas sustentáveis são sim um diferencial importante na hora de consumir, mas o design ainda é o que move a indústria da moda, por isso investimos em pesquisa e desenvolvimento de matérias primas e busca por práticas mais sustentáveis, mas sempre sem deixar de lado o investimento (de tempo e dinheiro) em pesquisa de tendências e modelagem.

Revista Catarina: Como funciona o seu processo de criação uma vez que as peças são unicas, os clientes compatilham suas hitórias?

Mudha: A Mudha é uma marca de moda sustentável, por isso essa questão é levada em consideração durante todas as etapas do desenvolvimento e durante toda a cadeia de produção das peças. Além da confecção em si, também buscamos alternativas sustentáveis em todos os pontos de contato com o cliente. A primeira variável a ser considerada é a matéria prima das roupas, nesse sentido, trabalhamos com tecidos de três vertentes diferentes: orgânicos, reciclados ou com tecnologia biodegradável, todos com tingimento natural, à base d’água ou certificado. Além disso a modelagem das peças é desenvolvida buscando o aproveitamento máximo de tecido e o máximo de “encaixes” possíveis entre diferentes moldes.

Também evitamos o uso de aviamentos para que o eventual descarte ou reciclagem da peça seja simplificado (fechamento de ciclo). E por último mas não menos importante: a pesquisa de tendências. Como somos uma marca de moda slow, com produção mais lenta e em menor quantidade, fazemos peças feitas para durar, e para uma peça durar, além da qualidade ela deve ter um design que “permita” que ela seja usada por muito tempo e de formas diferentes, para isso buscamos pesquisar e traduzir as macro tendências, que não são “modismos” e em última análise são peças mais básicas.

Completamente. A começar pela limitação em matérias primas: nossa pesquisa de materiais é anterior ao desenvolvimento da coleção, ou seja, nos baseando nos tecidos disponíveis no momento que respeitem nossos quesitos de sustentabilidade e qualidade da marca, é que vamos começar a pensar e desenvolver a coleção. Pode-se dizer que esse é o fluxo inverno do mercado de moda tradicional.

Revista Catarina: O que é moda pra você? Qual a importância dela na vida das pessoas e na sociedade?

Mudha: É meio clichê, mas moda pra mim é uma forma de expressão. Não só através da peça e do que é visto pelos olhos mas de tudo o que existe por trás dela: material usado, processo de fabricação, etc. A moda é mais um atributo que compõem um estilo de vida.

Revista Catarina: Qual a sua visão sobre o futuro da moda com tantas mudanças que vem acontecendo no mundo fashion nos últimos tempos?

Mudha: Ao mesmo tempo que vemos muitas marcas e iniciativas novas surgindo, ainda estamos muito longe do mercado de moda sustentável europeu, por exemplo. Isso tem muito a ver, claro, com o tamanho da população, mas também com a questão cultural: enquanto em países como a Holanda, por exemplo, os conceitos de “menos é mais” e qualidade ao invés de quantidade estão muito disseminados, o Brasil ainda passa pela fase de “ostentação” e o “sonho americano”. Isso gera, naturalmente, demandas diferentes de empresas e marcas, e portanto, incentivos e investimentos diferentes por parte do governo e iniciativas privadas. Acredito que a disseminação da informação gera a consciência e isso é o que vai pressionar os grandes varejistas a mudarem suas práticas, mas a grande questão e o que realmente vai fazer a diferença é a mudança cultural e comportamental.

Revista Catarina: Como você descreveria sua marca?

Mudha: A Mudha tem 6 pilares que são os norteadores de conduta. Esses pilares são levados em consideração em todas as etapas do desenvolvimento de produto e em todos os pontos de contato com o cliente. São eles: Slow, local, impacto social, sustentável, justo e vegano. Dentro do pilar “social” atuamos em diversas frentes: desde trabalhos voluntários, doação integral de retalhos para entidades com cunho social ou promovendo oficinas para pessoas em situação de vulnerabilidade social. Já no quesito “justo” trabalhamos diretamente com o prestador de serviço, sem intermediários, o que nos possibilita negociar preços e prazos diretamente, mantendo assim uma relação colaborativa e de benefício mútuo. O pilar “local” diz respeito à nossa produção: nossas peças são produzidas localmente para que possamos conhecer todos os envolvidos na cadeia de produção, bem como seus locais de trabalho.

Isso garante que ela esteja dentro dos nossos padrões de segurança e qualidade. Em escala nacional, priorizamos matérias primas brasileiras para incentivar o desenvolvimento da indústria têxtil sustentável e evitar a poluição gerada pelo transporte internacional. Somos uma marca de slow fashion porque lançamos apenas duas coleções por ano, diferente da fast fashion que pode chegar à vinte no mesmo período. Além disso mantemos nosso estoque reduzido afim de evitar a superprodução e garantir o caráter de exclusividade das peças. A característica slow também influencia na velocidade de produção e distribuição, já que os ciclos de cultivo de matérias primas naturais é respeitado, assim como o tempo de desenvolvimento e produção, que é individualmente considerado.

A sustentabilidade é levada em consideração em todos os pontos de contato com o cliente e em todas as etapas da produção e logística das peças, desde do desenvolvimento das peças, materiais de comunicação e ponto de venda. A marca é vegana porque não utiliza matérias primas de origem animal em nenhuma peça ou embalagem de produto. Essa escolha vai ao encontro da premissa inicial da marca: a sustentabilidade.

Revista Catarina: Deixe um recado para os leitores da revista.

Mudha: Sempre gostamos de usar uma citação da Vivienne Westwood como dica de ouro pra quem está em busca de um consumo de moda mais consciente: “Buy less, choose well, make it least”. E pra te ajudar nessa missão, deixamos abaixo nossos pontos de venda físicos, além disso temos o site que envia pra todo o Brasil.

RS

  • Showroom Mudha

Miguel Tostes, 897, Rio Branco, Porto Alegre/RS

  • Autoral Criações Exclusivas

Independência, 1211, loja 01, Moinhos de Vento, Porto Alegre/RS

  • PíerX – Shopping Iguatemi

João Wallig, 1800, 2264, Passo d’Areia, Porto Alegre/RS

SC

  • Sta. Maria Casa – Mercado São Jorge

Brejaúna, 43, Itacorubi, Florianópolis/SC

  • N’ da Lua

Av. Vereador Manoel José dos Santo, 1493, loja 107, Bombinhas/SC

SP

  • D.A.M.N Project

Joaquim Antunes, 1026, Pinheiros, São Paulo/SP

  • Casa Jardim Secreto

Rua Conselheiro Carrão, 374, Bixiga, São Paulo/SP

RJ

  • Sebastiana

Gen. Glicério, 440, loja B, Laranjeiras, Rio de Janeiro/RJ

  • RIOetc

Largo dos Leões, 81, loja C, Humaitá, Rio de Janeiro/RJ

www.mudha.com.br

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*