Cresce o mercado de lingerie plus size nos EUA

 

A população dos Estados Unidos da América é considerada uma das mais pesadas do mundo, onde cerca de um terço dos adultos são classificados com sobrepeso. O setor de roupa feminina plus size cresceu cerca de 6% no último ano, movimentando 21 bilhões de dólares. Visto isso, era de se esperar que as lingeries de tamanhos maiores começassem a ganhar mercado. Nos últimos tempos empresas do ramo de roupas íntimas vêm investindo em peças maiores, como é o caso da Calvin Klein. Muitas outras também estão surgindo, se​ ​especializando​ ​só​ ​em​ ​lingeries​ ​especiais,​ ​com​ ​tamanhos​ ​acima​ ​do​ ​40DD​ ​americano.

Isso tudo se desencadeou depois que estrelas como Ashley Graham, Melissa McCarthy e Rebel Wilson passaram a estampar capas de revista e ganhar destaque nos holofotes, essas duas últimas inclusive atualmente possuem suas próprias marcas de peças plus size. As mulheres consideradas “curvilíneas” estão pedindo espaço, a muito tempo, e com esses grandes nomes as representando passaram a chamar ainda mais atenção para a causa, conseguindo​ ​essa​ ​reviravolta​ ​de​ ​mercado,​ ​mesmo​ ​que​ ​tardia.

A blogueira Chastity Garner Valentine, que já fez inúmeros manifestos sobre a causa, diz que quando o consumidor não encontra uma roupa só por conta do seu tamanho ele se sente como se não pertencesse a lugar nenhum. As mulheres não querem usar sutiãs “de vó” sem design nenhum apenas por conta do seu peso. Querem se sentir representadas e conseguir usar peças que gostam e as façam sentir sexy. O mercado de lingerie americano percebeu isso e, através de peças especialmente e cuidadosamente projetadas, estão começando​ ​a​ ​atender​ ​aos​ ​desejos​ ​das​ ​consumidoras​ ​americanas.

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*