Conceito, conforto e identidade: conheça a Apuê

Conceito, conforto e identidade. Essas são algumas das características da Apuê, impressas pela designer Sheila Hiromoto. A marca, presente no The Future, nasceu após Sheila acumular expertise suficiente no mercado de design de calçados e tem se destacado atualmente, com peças diferenciadas e um conteúdo criativo nas redes sociais. Sheila é responsável por todos os processos da marca, e contou um pouco da sua história e como fundou a Apuê.

 

 

The Future: Sabemos que você é arquiteta de formação e que morou mais de uma década em Londres, onde cursou designer de calçados e trabalhou na Clarks. Como surgiu a ideia para lançar a Apuê em meio a tantos acontecimentos?

 

Sheila Hiromoto: Eu me formei em Arquitetura antes de estudar calçados. Eu fiz o curso de calçados em Leicester, que fica na parte central da Inglaterra. Quando fui contratada pela Clarks eu me mudei para Somerset (sudoeste do país), onde fica a sede da empresa. Depois trabalhei no escritório da Clarks no Brasil e em Boston. Em 2011 morei em Londres e voltei ao Brasil em 2014. As oportunidades na Clarks foram incríveis, eu sou super grata e guardo uma admiração enorme pela história da empresa.

 

Só nos últimos anos na Inglaterra que fui identificando uma vontade de trabalhar numa estrutura menor, com mais proximidade e envolvimento no processo de fazer o sapato: de estar presente no dia-a-dia na fábrica com modelistas, costureiras, na montagem e acabamento do sapato, com fornecedores. Também havia um desejo de voltar para casa. A Apuê foi aos poucos tomando forma a partir daí.

 

 

TF: Qual a relação que você vê da arquitetura com os sapatos?

 

SH: Seja qual for o objeto de design, vejo o processo de criação como sendo o mesmo: a inspiração ou ideia inicial; um olhar apurado e incansável para equilibrar funcionalidade e estética, trabalhando com proporções, medidas, materiais, cores. Quando eu fui estudar calçados e pude comprovar isso, fiquei muito segura nessa transição de arquitetura para calçados. Claro que há particularidades de projeto de cada objeto, mas o processo de olhar e pensar no design do produto de forma holística (integral), é o mesmo. Trabalhar com diferentes produtos é algo que nós designers deveríamos fazer mais, pois se aventurar em criar outros objetos potencializa a criatividade. Um exemplo dentro de arquitetura e sapatos, que estamos falando mais especificamente, é dos irmãos Campana e de Zaha Hadid, que criaram sapatos incríveis em colaboração com a Melissa. Fica muito claro como eles traduziram linguagem e identidades próprias de cadeiras e edifícios para sapatos.
TF: Faz diferença trabalhar em uma grande marca internacional antes de abrir o próprio negócio?

 

SH: Eu não acho que a experiência numa grande marca internacional seja necessariamente o que dá segurança para alguém empreender. Mas posso dizer que no meu caso, estar trabalhando numa grande estrutura foi o que fez, num certo momento, eu entender que estar mais próxima do processo de fazer sapato era importante para mim. Abrir um negócio foi na verdade uma consequência.

 

 

TF: Qual foi o conceito inicial da Apuê?

 

SH: A palavra apuê  significa longe, distante, em  tupi-guarani e a adotamos com a conotação de  ir longe: uma alusão à atemporalidade que buscamos imprimir em nosso trabalho. Essa escolha nos permite não seguir um calendário de moda ou fazer lançamentos por estação. A ideia é desenvolver nossas coleções continuamente ano após ano, como se estivéssemos percorrendo um caminho trazendo uma bagagem para traçar o que vem pela frente. O Manifesto da marca traduz essa ideia lindamente!

 

TF: Quais as suas inspirações para criar Apuê? Como funciona seu processo criativo?

 

SH: As inspirações podem estar em tudo o que vemos e vivemos, mas é preciso ter um olhar atento e curioso para percebê-las. Uma fonte de inspiração são sapatos de outras épocas; é algo que aprendi a valorizar na Clarks, que tem um acervo incrível. E a partir daí há a possibilidade fazer releituras, que envolve riscar novas linhas, recortar, acrescentar, mudar proporções. Mas o que é mais interessante é encontrar inspiração em outros objetos, que não na Moda. Muitas vezes vejo luminárias que poderiam ser brincos lindos! Durante o curso de calçado fiz um salto inspirado no croqui de um ferro de passar roupas, que eu tinha desenhado anos antes. O modelo Dervel, da coleção Híbridos, foi inspirado na embalagem de comida oriental. Quantos objetos do nosso cotidiano trazem soluções super inteligentes, e por fazerem parte do nosso dia-a-dia, nos passam desapercebidos?

 

TF: Os sapatos da Apuê conseguem transmitir conforto, ainda que visualmente. É um ponto importante para você?

 

SH: Sim, o conforto no sapato é essencial. Ele está muito mais relacionado com uma boa fôrma e um bom calce do que com palmilhas super acolchoadas (uma falsa percepção de conforto). Não há como começar a pensar em fazer um sapato sem trabalhar bem nas medidas da fôrma. Dito isso, o bom calce é um desafio, já que há muitas variações de formato de pé dentro de uma numeração, ainda mais em países com grande diversidade étnica como o Brasil. Então não há um padrão ideal de medidas e de conforto, mas uma aproximação. As grandes marcas esportivas investem muito em pesquisa no desempenho dos tênis em vários esportes. Acredito que melhorar o conforto no sapato é um fator onde há mais potencial para pesquisa e inovação.

 

 

TF: O seu público alvo já está definido?

 

SH: São mulheres que optam por investir em produtos de qualidade (ao invés de quantidade) e buscam peças curinga que combinem facilmente com vários itens do guarda-roupa. Claramente estamos vendo uma vontade das pessoas em se informar mais sobre o que consomem e como vivem, com uma preocupação tanto com o bem-estar próprio (e de suas famílias) como também com o bem-estar da sociedade e do planeta. E todas as empresas, pequenas ou grandes, devem trabalhar para atender esse perfil de público alvo.

 

 

A Apuê é uma das marcas que está no The Future, com modelos que mesclam design e conforto. Os flats são destaques na coleção, com foco no preto. Para conferir a coleção da Apuê é só acessar o site do The Future (clique aqui). Nas redes sociais da marca você encontra outras informações:

Facebook: www.facebook.com/apue.oficial/

Instagram: www.instagram.com/apue_oficial

Pinterest: www.pinterest.com/apue_oficial 

.

.

.

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*