Empresas de viagens estão evoluindo suas estratégias para reduzir sua pegada de carbono

O setor de viagens está a caminho de mais um ano recorde em crescimento. Mas apesar de ser uma das indústrias de maior sucesso, viagens e turismo enfrentam desafios sem precedentes. E uma das principais preocupações atuais são as condições climáticas que simbolizam impactos importantes na hora da escolha de novos destinos. Problemas como subida do nível do mar e temporadas de inverno mais curtas acabam se tornando uma ameaça.

Outra ameaça tem sido a popularidade de alguns pontos turísticos que tem gerado grandes tensões no mercado ético. Surgiu então o movimento chamado Overtourism , que ganhou esse nome por ser comparada a uma praga de gafanhotos, onde cidades de interesse turístico estão sendo invadidas por turistas, parecendo até mesmo uma ocupação predatória e descontrolada. Mas seria overturism insolúvel, ou uma fórmula de promover o turismo sustentável? Ninguém quer eliminar o turismo, mas sim buscar o equilíbrio. Ou seja, evitar que o excesso de visitantes afete a preservação das cidades e a qualidade de vida dos moradores. Ao mesmo tempo os consumidores de viagens querem viajar sem culpa e esperam que as empresas de viagem busquem alternativas responsáveis em seu nome.

Empresas de viagens estão sob pressão para encontrar soluções que promovam sustentabilidade para reduzir seu impacto ambiental e também fazer o bem social. Tudo para atender essa nova demanda de consumidores, atentos as questões socioambientais. Projetos que se alinham com o metas de desenvolvimento sustentável surgem cada vez mais no setor hoteleiro e visam ajustar o comportamento dos viajantes para o melhor.
Destinos vão lentamente começando a perceber que eles têm que administrar melhor o crescimento do turismo. Eles precisam ouvir e trabalhar em conjunto com a população local. Os viajantes também não querem mais ser conduzidos ao redor em multidões. Garantir que os consumidores de viagens recebam oportunidades para se comportar conscientemente é chave para o futuro do turismo responsável.

Algumas pequenas mas interessantes ações já vêm sendo desenvolvidas por empresas de turismo, uma delas por exemplo é a de uma campanha desenvolvida por Thomas Cook que implementou mensagens em torno de reutilização de toalhas para incentivar os consumidores a novos hábitos, diminuindo a quantidade de lavagens, e conscientizando os clientes, para a redução do uso excessivo de água. ”Em um teste de diferentes mensagens em torno do uso de toalhas, a TUI viu mudança comportamental positiva. “Nós sabemos que eles estão dispostos a desempenhar o seu papel, principalmente se for feito o caminho certo, falando sobre hábitos cotidianos ou invés de ameaças. “Para cada toalha reutilizada, nós fazemos doações para o projeto Just a Drop. É um ponto de contato muito leve em toda a experiência do hóspede, mas garante que eles compreendam e façam parte da iniciativa.” explica Inge Huijbrechts. E apesar de ainda pequena, a reutilização de toalhas aumentou 10% desde o empresa vinculou a campanha.

As empresas hoteleiras também chamam a atenção para outras questões importantes e que podem ajudar em boas estratégias sustentáveis, de bem estar e até mesmo controle de porções. Sim controle de porções, alguns restaurantes já estão avaliando o número de porções servidas em uma noite, alguns pedem até confirmação dos hóspedes com algumas horas de antecedência, tudo para preparar e cozinhar apenas quando e o que for necessário, evitando desperdícios. Além disso as redes perceberam uma preocupação dos clientes em conhecer o que é original dos lugares que visitam. O Radisson Blu Hotels , por exemplo, também mudou a tipo de comida que oferece no café da manhã e para reuniões corporativas realizadas em suas propriedades, alimentos locais baseados em plantas agora têm prioridade sobre carne e produtos lácteos.

Algumas agências já perceberam também que seus clientes buscam cada vez mais o turismo baseado no solo ou experiências compartilhadas, onde eles querem conhecer de fato as realidades dos locais. O interesse em projetos e comunidades locais é particularmente forte entre Millennial e Viajantes da Gen Z. Um levantamento feito em 2017 fala que consumidores com menos de 30 anos tem preferido alinhar suas escolhas de hotéis com o seu senso de sensibilidades éticas. Embora eles sejam incapazes de pagar algumas de suas aspirações e destinos, eles estão dispostos a sacrificar conforto, se eles podem ter uma experiência autêntica. Um exemplo de empresa que já trabalha muito bem com essa forma de turismo é a Volunteer Vacations, criada pelos os amigos André Fran, Mariana Serra e Alice Ratton, que sempre gostaram de viajar, mas, que além disso, buscavam descobrir novas culturas e, assim, ajudam a possibilitar novas experiências.

Segundo eles essa é uma uma excelente oportunidade de realizar uma viagem nacional ou internacional, conhecer diferentes culturas, fazer o bem, ter contato com algumas das grandes questões da humanidade e fazer a diferença por um mundo melhor. Tudo de acordo com o gosto e aptidões do viajante e em total segurança. Como eles mesmo sugerem em seu site; “Em um dia você está dando um mergulho refrescante em uma praia paradisíaca de mar azul, e no outro colaborar com um projeto agrícola no coração da África. Após uma semana de compras nos mais modernos shoppings da Ásia, que tal amamentar elefantes abandonados na Tailândia? Ou, quem sabe, subir as favelas cariocas para ajudar as fofas crianças de um orfanato conhecendo um outro lado da realidade brasileira para depois celebrar a experiência com um chopp gelado em uma roda de samba?” Eles ainda completam que o Voluntourism é esse tipo de turismo que inclui o trabalho voluntário voltado para ajudar alguma causa significativa. É o turismo consciente! O perfil do turista que faz esse tipo de viagem é diverso, mas normalmente são aqueles que compartilham o desejo de “fazer o bem” ao mesmo tempo que conhecem destinos incríveis que geralmente estão fora dos roteiros tradicionais.

De fato ações ambientais e sustentáveis fazem parte dos novos negócios no setor de viagens. Consumidores agora esperam viajar em empresas que trabalhem de forma responsável. Os hotéis e locais, precisarão considerar como vão tocar essa crescente demanda por serviços locais, sociais e interação. Os viajantes mais jovens são cada vez mais interessados em comunidade e projetos sociais, protegendo ao mesmo ambiente natural e vida selvagem. Com certeza nos próximos anos as empresas de turismo aumentarão suas ofertas em viagens que tenham sustentabilidade em seu núcleo, bem como irão mudar fundamentalmente a sua abordagem para energia e seu consumo.

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*