A moda brasileira precisa de eventos como o Minas Trend

Por Camila Beaumord

Quer saber por que eu gosto tanto desse evento?

Não se trata do fato de ser sediado em minha cidade natal, nem a genuína preocupação das assessorias em fornecer à imprensa a melhor informação e nos apresentar para figuras bárbaras que provavelmente não teríamos acesso de outra maneira, nem mesmo as delícias mineiras que parecem brotar para os visitantes a cada esquina da cidade (tapioca com goiabada? Oh my!).

Nada disso. Eu gosto do Minas Trend porque ele é um dos poucos eventos no Brasil que consegue equilibrar o charme da moda com o cenário de negócios. Deixe-me explicar a importância disso:

Os países europeus aproveitam o termo “semana de moda” ao máximo. Diversos eventos paralelos são organizados ao longo da agenda oficial de desfiles – desde grandes feiras segmentadas (é o momento para expor acessórios, calçados, moda masculina e infantil), exposições, showrooms menores, concursos de novos talentos, exibição de fashion films… enfim. Deu para entender, né? Esse cronograma é bolado justamente para incentivar o mercado, oferecendo diversas atividades para os visitantes e promovendo a troca de contatos entre marcas, lojistas e o consumidor final.

No Brasil, já sabemos que o cenário é outro. Embora estejamos com excelentes eventos em diversos setores (o salão+ B da Abest é um que não cansamos de elogiar, por exemplo), não temos a sincronia de países como a França ou Inglaterra. Ora as iniciativas acontecem muito distantes umas das outras, ora eventos com o mesmo perfil ocorrem na mesma data, o que divide o público em vez de uni-lo.

Não vamos analisar a fundo essa falta de harmonia; embora temos em mente que ela surge devido 1) à dificuldade de muitas marcas acompanharem o novo calendário das fashion weeks ainda, 2) às dimensões continentais do Brasil, fazendo a movimentação de visitantes para outros estados mais complicada e 3) ao fato de que alguns dos eventos, infelizmente, encararem os outros como concorrentes, em vez de oportunidades para fortalecer o setor. Independentemente disso, acho louvável o formato do Minas Trend que, à sua maneira, atende muito bem aos três públicos que movem o nosso varejo – marcas, lojistas e consumidores, como já havia falado.

 

Desfile da Vivaz / Foto : Zé Takahashi - FOTOSITE

Desfile da Vivaz / Foto : Zé Takahashi – FOTOSITE

Assim que é bão, sô.

É lógico que o Minas Trend não é o único evento a apostar em um espaço de showroom, sala de desfiles e exposições. Mas é uma iniciativa que, apesar dos contratempos do mercado (teve que inclusive remover o “Preview” de seu nome no ano passado!), reciclou o formato para permanecer atual, com expositores e visitantes qualificados.

Não que esta edição tenha sido perfeita. Embora consideramos a organização impecável, ouvimos alguns compradores reclamarem da agilidade na hora do credenciamento. O setor calçadista, que antes expunha em peso no Minas Trend, resumiu-se a poucas marcas (pelo que conversamos, em virtude da agenda antecipada). E os corredores pareceram mais vazios do que nos anos passados – isso não implica em um ponto negativo, afinal, grande número de pessoas não é necessariamente sinônimo de grandes pedidos.

Momento em que o público pode observar com calma as peças da Mary Design após o desfile: Foto: Danilo Grimaldi - FOTOSITE

Momento em que o público pode observar com calma as peças da Mary Design após o desfile: Foto: Danilo Grimaldi – FOTOSITE

No entanto, quem percorreu os corredores do showroom ou acompanhou um desfile sentiu a preocupação com a qualidade que é tão característica do evento. O foco é realmente proporcionar uma experiência de negócios diferenciada, algo que é mérito não apenas da organização, mas de quem participa. É ter o trabalho de verdadeiras artistas como Raquell Guimarães (da Doiselles) e Patrícia Motta expostos logo na entrada, para apresentar sua moda diferenciada a quem ainda não conhece. É colocar compradores antes de fashionistas nas salas de desfile. É ter uma Mary Arantes (da Mary Design) de volta à passarela e não só fazer as modelos percorre-la, mas oferecer um momento após a apresentação com as meninas paradas para quem quiser observar seus lindos acessórios de perto. E, para mim, é encontrar tantas pessoas incríveis em um só lugar, que se transformaram entrevistas muito especiais a serem postadas aqui nos próximos dias.

Esse é o meu negócio, afinal.

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*